segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

A DANADA DA POESIA

DEZ/2012
 
TUDO COMEÇOU COM ELA
A TAL MENINA POESIA
EU FICAVA NA JANELA
OLHANDO AONDE ELA IA

 
ELA BEM QUE ESCAPULIU
PULOU AS VEZES A CERCA
DEPOIS DE UM TEMPO CONCLUIU
QUE EU ERA A ALMA-GÊMEA DELA

 
ENTÃO ELA NOS UNIU
E NOS COBRIU DE ESTRELAS
E DEPOIS QUE REUNIU
NÃO MAIS PASSOU NA JANELA

 
POIS AGORA VOCÊ E EU
DIALOGAMOS A MAIS NÃO PODER
E SENTIMOS QUE ESSE AMOR
FAZ ESSA CHAMA ARDER

 
JAMAIS NOS SEPARAREMOS
SE DEPENDER SÓ DE MIM
ESPERO QUE NOS AMEMOS
EU EM VOCÊ...VOCÊ EM MIM

 

 

CHAMA ACESA


DEZ/2012

ACENDEU-SE EM NÓS UMA CHAMA

IMPOSSÍVEL DE APAGAR

POIS ELA É ALIMENTADA

COM O FOGO DO NOSSO AMAR

 

E NÓS SEMPRE NOS DISSEMOS

QUE A CHAMA DESSE QUERER

DEVERIA DAR SEMPRE ACENOS

AO INVÉS DE PENSAR EM MORRER

VEM POUSAR EM MIM


DEZ/2012

SE VOCÊ MEU PASSARINHO

POUSASSE EM MINHA MÃO

ALÉM DE TODO O CARINHO

TERIAS O MEU CORAÇÃO

BONS SONHOS


DEZ/2012

Ontem eu estava triste

Triste que até chorei

Procurei e não te achei

Queria conversar contigo

Dizer o que havia comigo

Mas não estavas disponível

E desse jeito eu não dormi

Pois durante a noite inteira

Sonhei que estavas aqui..

A PASSAGEM


DEZ/2012

HOJE O ANO VELHO SAI

ABREM-SE TODAS AS PORTAS

PARA A CHEGADA DO NOVO

QUE ESPERO SÓ NOS TRAGA

BONDADE E FELICIDADE

AUMENTE A CUMPLICIDADE

QUE SEJA ESSE AMOR A VERDADE

EXPLODA EM MIMOS E REDUZA A SAUDADE

 

PARA NÓS MAR DE DELÍCIAS

E TUDO DE BOM DO ANO NOVO

FELICIDADES, QUERIDO!

CHUVINHA


DEZ/2012

Caem aos poucos em mim

Gotas de luar sem fim...

Como uma coisa de louco

Como a loucura de amar

Evaporando-se foram

Tão lindas direto ao céu

Por lá...encheram-se de mel

Jorraram suaves e doces

Carinhos e tantos mimos

Que pensei que até fossem

As ternuras de um menino

COMO NOS VEMOS


DEZ/2012

A gente escreve o que quer

Poetas aquilo que sonham

Os amantes as suas vontades

Nós escrevemos colorido

Do nosso jeito atrevido

Mas a vida muda os tons

E sapeca os tons de cinza

A gente olha um pro outro

E nos vemos nesse olhar

Eu vejo teus olhos de mel

Tu vês os meus bem castanhos

Vejo-te pelos versos teus

Enxergas min’alma nos meus

 

 

 

domingo, 30 de dezembro de 2012

AUSÊNCIA


DEZ/2012

Estou numa inquietação

Acho que final de ano

Causa-me desanimação

Não sei se paro ou se ando

 

Se paro o tempo conspira

Deixando-me na solidão

Que eu juro...a ninguém inspira

Isso é que é uma maldição

 

Se ando deixo pra trás

Alguns parcos instantes

Os bons que não voltam mais

Coisas de antigos amantes

 

O problema assim colocado

Deixa-me pois sem saída

De jeito que escolha ou faça

Pareço uma alma vencida

 

É que às vezes me falta força

Diminui não sei como o horizonte

Creio que por mais que eu torça
Não vejo entre nós dois a ponte

O CAMINHO ESCOLHIDO


DEZ/2012

Naquele bosque fechado

E pelo tempo esquecido

Vibra um bocado de vida

Resquícios dos tempos idos

Mas lá é que se concentra

Todo o magnetismo da terra

E quem nele se aventura

É ungido de uma rara paixão

Que passa o coração a preencher

Imperando com toda a obstinação

Sobre as metas do nosso querer...

É por isso que sou EU...

É por isso que é VOCÊ!

AMOR AMADURECIDO


DEZ/2012

Tomei banho de estrelas

Bebi gotas de luar

Voei com o colibri

O mais sedutor que há

 

Tenho em mim gosto de mar

Vejo seus beijos na areia

Adoro quando ele passeia

E com a sereia quer ficar

 

Carinho feito uma linda canção

Ternuras e doçuras me adentram

Você navegando em meu coração

Sinto o que ninguém mais sente

 

Meu colibri toca as asas na flor

Suga-lhe com sofreguidão o mel

Embriagando-se do verdadeiro amor

Ali ele encontra um pedacinho do céu

 

Vira e mexe...caímos bem no real

É que o amor há que ser vivido

Totalmente ou talvez parcial

Amor está pronto e amadurecido

 

 

NÃO ME CONFORMO


DEZ/2012

Pondo as cartas na mesa

E todos o pingos nos is

Serei tua com certeza

O meu coração me diz

 

Não é coisa inventada

Nem nada precipitado

Já faz dois anos... coitado

Desse amar tão desejado

 

Não sei quantas páginas escritas

Borradas ou então rasgadas...

E de pronto te digo aflita

Lembre que eu sou tua amada

 

As outras podem até ser

Coisas que eu nem quero dizer

Mas a grande afinação

Está entre o meu e o teu querer

 

Não há mais nada a pensar

Já dissemos todas as formas

Do nosso jeito de amar

Daí  eu não me conformar

 

ASSIM QUER A TUA FLOR


DEZ/2012

TANTO QUERER

MILHÕES DE DOÇURAS

AMOR DE FAZER

COM AVIDEZ E LOUCURA

É TANTA...TANTA TERNURA

OLHE-ME...PRECISO DESSE OLHAR

NÃO ME FALES... ME BEIJE

ABRAÇA-ME E ME PONHAS NO COLO

PASSEIA-ME COM AS TUAS MÃOS

POIS MINHA BOCA TE ESPERA

GRITES NOS MOMENTOS FEBRIS

POIS ASSIM...TUDO EM MINHA VIDA

ABRIR-SE-Á FEITO A FLOR

QUE QUERES DESPETALAR

 

É GOSTOSA ESSA TERNURA


DEZ/2012

Você me atrai como a flor

Faz sempre com as abelhas

São levadas pelo néctar

Ou pelo aroma que exala

Como eu sou a tua flor

Entrego-me pelo perfume do amor

CÁ ENTRE NÓS


DEZ/2012

Nada, mas nada mesmo

Dá-me maior alegria

De que ter teu aconchego

Dia e noite...noite e dia

 

É um inenarrável prazer

Que eu sinto só ao pensar

No que eu quero fazer

Na hora em que te encontrar

 

Há delícias e ternuras

Amantes de alma pura

Sequiosos por abraços

E dormir num suave enlace

 

É assim que eu logo penso

Será assim que vai ser

Não deixe passar o tempo

Deixe logo acontecer

 

Sinto que sugas meu mel

E ele é doce como quê

Ficamos pertinho do céu

Delicie-se...guardei-me para você

 

 

DUAS VIDAS E UMA HISTÓRIA


DEZ/2012

DIZIAM E EU NÃO ACREDITAVA

QUE ERA BOM O NOSSO BRINCAR

QUE ERA MELHOR UM FAZ DE CONTA

DO QUE NINGUÉM PARA AMAR

PASSEI ENTÃO A CUIDAR

DO MEU AMOR COM AFINCO

E UM DIA SEM ESPERAR

ELE ECLODIU DO VIRTUAL

E VIROU MAIS QUE REAL

ELE É MUITO IMPORTANTE

ANDO CHEIA DE SAUDADES

DESSE MEU PAR CONSTANTE

QUE É MEU AMOR DE VERDADE

 

DEBATENDO COMIGO MESMA


DEZ/2012

Às vezes eu fico assim! Nem alegre e nem triste, mas enjoada, enfastiada de mim. De como sou, de como vivo, do meu jeito pobre e torto de escrever e o pior é não conseguir dizer o que eu quero por falta do encontro entre as palavras e o pensar.

Chateada por hoje ser sexta-feira e o claustro ser ainda mais isolado! Por amanhã haver outro amanhecer, que nada do que acontece eu quero ver, aliás, eu não quero nem saber!

Você algum dia já sentiu gosto de sabão na boca? Se nunca sentiu agradeça e intua como deve ser ruim.

Acho que estou desagradável comigo mesma, achando sem gosto os pratos que estão sobre a mesa, aliás, nem querendo estar à mesa.

Quisera estar em um sonho e que dele jamais acordasse, pois esse seria o único jeito de ser feliz, no irreal! Quisera dele jamais acordar, ser abduzida e ter um tipo de vida bem diferente de agora, ando por demais ressentida comigo mesma, insatisfeita e me autoflagelando!

Meu exterior condiz com o que se passa dentro de mim!

O corte de cabelo não ficou como eu queria, não prestou, ficou um horror! Errei na escolha do vestido, o sapato me fez calos está tudinho um descalabro. As meninas (dos olhos) não se conformam e choram...

Dentro de mim há uma mulher vazia de vida, de expectativa, silente e triste pelo que vive o seu coração.

Um órgão tão importante, penso que está muito avariado, nem sei como aguenta o coitado, tamanha perturbação.

Horas, bate compassado e leve, parecendo uma borboleta, noutras se sente apertado, como se não coubesse em meu peito e nada tivesse mais jeito.

E assim estou rezando para acabar logo o ano e como poucos dias faltam, pode ser que ele suporte e nem acorde.

Quem sabe no próximo, 2013... eu consiga conciliar o que se passa por fora e dentro do meu pensar.

ACOLHO-TE E TE ENVOLVO


DEZ/2012

Intensamente eu te acolho

E docemente te envolvo

Com todos os meus carinhos

Acredites meu benzinho

Sei do teu amor agora

Que adoras o nosso querer

Esperamos o fruto amadurecer

Só faltamos enlouquecer

Com tudo o que nos aflora

É uma vontade de ir

Desejo de te ver chegar

Pois quero demais cuidar

Delícias do interagir

De quem só quer te amar

 

 

AS ETAPAS


DEZ/2012

Antes...

Não sei quanto o autor

Eu até conseguiria ficar

Um pouco de tempo sem você

 

Depois...

Bem logo depois

Começou a haver uma sintonia

Que me liga direto a você

 

Hoje

Eu juro que não consigo

Ficar desconectada...

Viver o que eu persigo

Pois a saudade é danada